Voltar à terra

Na aldeia

- Junho 20, 2015 -

Eu sempre me sinto assim na aldeia da minha avó (Beira Baixa): reenergizada pelas flores, as árvores, os pássaros… até as pedras me fortalecem. Volto a partilhar convosco o inicio deste texto que escrevi para o blog e que se chama: “Porquê Voltar à Terra”.

Podem ler o texto completo na página “Porquê Voltar à Terra”:

Os meus avós eram agricultores. Desde os quatro anos de idade, estar perto da natureza, para mim, era como ter um tesouro, Sentia-me privilegiada por poder viver no meio da floresta. O medo das trovoadas, as rezas da minha avó, brincar com as pedras, ir com as minhas tias muito cedo levar a merenda ao meu avô que, no cimo da serra, tirava resina dos pinheiros…Dormir sestas debaixo das árvores, arranhar as pernas com silvas no meio das amoras, apanhar batatas e pisar as uvas na adega, entrar para dentro da pipa.

O sabor das batatas cozidas, esmagadas com tomate e azeite, sempre me ficou na memória, como um sabor único, natural. Um sabor que agora tento recuperar nestas conversas com agricultores com as mesmas preocupações e ligação à terra que conheci nos meus avós. Eles tinham animais que cresciam em liberdade. E abelhas. O meu avô também se dedicava à apicultura. Poucos sabem da importância que as abelhas têm no nosso ecossistema! Volto a ouvir isto da boca de uma bióloga que se torna uma amiga. E, de repente, tudo faz sentido. É preciso voltar às árvores, à criação de animais ao ar livre, voltar a aproveitar recursos naturais e nacionais.

DSCF4409

DSCF4423

 

DSCF4384

DSCF4388

 

Aldeia da Mata Pequena (Mafra)

Vestido e penas: Urbanoid 

Maquilhagem: Sandra Almeida

Fotos: Estelle Valente

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Os campos marcados com * são obrigatórios.